18/07/2018

As amizades que nos conduzem ao Céu.

"Faz-nos tanto bem, quando sofremos, ter corações amigos, cujo eco responde a nossa dor". - Santa Teresinha
Não há ninguém nesse mundo que consiga viver plenamente só, sempre precisamos de pessoas que nos auxiliem nas dificuldades, partilhem conosco as alegrias da vida e nos ajudem a evoluir. Logo, da mesma forma que precisamos de amigos aqui, também precisamos de amigos que já estejam no Céu e nos ajudem a chegar lá. É evidente que Jesus Cristo e a Virgem Maria devem ser os nossos primeiros amigos, contudo, sendo o primeiro deles o próprio Deus e a segunda uma mulher que foi concebida sem o pecado original; no começo é difícil estabelecer uma relação de amizade com ambos, por isso nos aproximamos dos santos, que foram homens e mulheres iguais a nós em tudo (até mesmo no pecado).

Se quisermos encontrar este amigo devemos estar atentos aos sinais sutis do Bom Deus. Além disso, devemos ler sobre a vida dos santos, pois só assim encontraremos entre tantos homens e mulheres, um que se assemelhe conosco e que talvez tenha vivenciado situações semelhantes às nossas. Contudo, isso não é uma regra geral, porque às vezes a Providência trata de colocar em nossa vida um santo que nem por um instante estava na nossa listinha de possíveis amizades. E foi exatamente isso que aconteceu comigo. Quando comecei a devorar diversos livros sobre a vida dos santos, me encantava com todos, porém nenhum deles parecia tocar o meu coração intimamente, como um amigo verdadeiro faz. Mas logo encontrei meu primeiro amigo: São Maxilimiano Kolbe. O que mais me encantou neste homem, além do martírio heroico que enfrentou, foi o fato de ter criado um jornal em honra a Imaculada Conceição e ter fundado no Japão uma comunidade que também era dedicada a Ela, ou seja, encontrei dois pontos em comum com ele: o amor pela escrita e pelo Japão. Contudo, enquanto continuava conhecendo a vida de outros santos acabei me deparando com a pequena flor do Carmelo: Santa Teresinha do Menino Jesus e da Sagrada Face. A princípio eu não entendia muito bem a fama que ela possuía pelo mundo todo, já que aos meus olhos (ignorantes),Teresinha não tinha nada demais, era somente uma santa bonitinha que disse coisinhas bonitinhas. Fim. Acabei decidindo assistir um filme sobre ela, e a situação ficou ainda pior. A atriz que a interpretou a transformou em uma menina mimada, chatinha e que dizia belíssimas declarações de amor que não vinham verdadeiramente do seu coração. Fico pensando o que Santa Teresinha sentiu quando viu que, mesmo depois de beatificada, ainda poderia sofrer injustiças na terra. Um tempo se passou, e algo dentro de mim começou a ceder até que decidi fazer a novena das pétalas de rosa. Não tinha muita confiança que fosse receber a pétala e acredito que Santa Teresinha decidiu me amar da mesma forma que amou aquela irmã que a irritava no convento, e me deu a graça de ganhar a pétala de rosa após três dias que tinha finalizado a novena. O pedido que pedi começou a se desenrolar, e agora Teresinha está me ensinando a ser paciente e confiante. Após alguns meses, rezei novamente a novena e quando estava saindo da igreja que frequento me deparei com um vaso cheio de rosas e alguns dias depois a graça que pedi foi alcançada. 

Por fim, não tive escapatória e acabei me apaixonando por essa pequena santa. Teresinha, que até então não parecia ter nada em comum comigo, mostrou com a sua vida as respostas para as perguntas que durante muito tempo inquietaram o meu coração. Por exemplo, Teresinha nunca esperou pelas grandes obras e reconhecia que não tinha a vocação para ser uma santa com grandes feitos, por isso, através do trabalho cotidiano e ordinário amava a Deus com todo o seu coração e fazia isso constantemente. Meditando sobre isso percebi o quão bem esse tipo de entrega se encaixa nos dias de hoje, porque estamos sempre querendo alcançar as grandes metas para mostrarmos o quão bons podemos ser, e muitas vezes nos frustramos porque percebemos as nossas incapacidades, sendo assim, ao invés de vivermos angustiados com esta realidade podemos fazer como fez a grande doutora da Igreja: contentarmo-nos com o pouco que fazemos, perseverando no amor e buscando intensificar a cada dia a nossa entrega.

Enfim, o que queria mostrar através deste texto é que o Senhor conhece todas as nossas necessidades e sabe do que precisamos para melhorar, por isso, tenhamos confiança nEle e nos santos que Ele colocar em nosso destino. Lembrando sempre que: assim como nós queremos ser amigos destes santos, eles também querem ser nossos amigos, então entregue seu coração a este grande amigo que o Senhor te deu e dessa forma as palavras de Platão pouco a pouco se cumprirão: "Tomarás os mesmos modos daqueles com quem convives".

14/05/2018

O santo rosário - a arma dos cristãos.

Nossa Senhora do Rosário.
O coração da Santíssima Virgem é constantemente ferido, tanto pelas ofensas cometidas pelos pecadores, como por aqueles que dizem serem seus filhos, mas não conseguem cumprir o simples pedido que Maria fez em todas as suas aparições: rezem o santo terço. Confesso que às vezes me é custoso reza-lo todos os dias, mas mesmo com todas as justificativas possíveis ("tenho que estudar para a prova", "estou cansada", "amanhã acordarei cedo"), nenhuma delas é válida. Colocar a vida profissional, no meu caso a estudantil, acima da busca da santidade é um problema que deve acometer muitas pessoas, já que tudo ao nosso redor gira em torno dessa meta impossível de ser sempre o melhor em tudo e a todo instante. Portanto, sacrificar seu tempo é sacrificar seu rendimento na escola ou no trabalho, e isso está fora de cogitação. Além de demonstrar que nosso coração está seguindo o caminho contrário, este pensamento revela nossa falta de confiança em Deus que, conhecendo nossas obrigações, nos ajudará nos momentos de dificuldade. Além disso, juntamente  com este instrumento maravilhoso dado por Nossa Senhora para contemplarmos o rosto de Cristoao seu lado, Maria fez diversas promessas para São Domingos de Gusmão àqueles que rezarem o terço com devoção, sendo algumas delas (se quiser ver as outras oito promessas, clique aqui):
  • O Rosário será uma arma potentíssima contra o inferno, destruirá os vícios, o pecado, e abaterá as heresias;
  • Todo aquele que rezar devotamente o Rosário com a contemplação dos seus sagrados mistérios, não será oprimido pelas desgraças, não será castigado pela justiça de Deus, e não morrerá de morte repentina, mas se converterá se for pecador, se conservará na graça, se for justo, e se fará digno da vida eterna;
  • Os devotos do Meu Rosário que forem para o Purgatório, eu os libertarei no mesmo dia;
  • Os verdadeiros filhos do Meu Rosário gozarão grande glória no Céu;
  • Tudo o que for pedido pelo Rosário será concedido;
  • Os que propagarem o Meu Rosário serão por mim socorridos em todas as suas necessidades;
  • Os que rezarem o Meu Rosário são meus filhos e irmãos de Jesus Cristo, Meu Unigênito.
Os relatos dos grandes santos também nos ajudam a compreender a importância desta prática. Uma frase que me dá muita força para continuar é do São Miguel Febres: "Um cristão sem o Rosário é um soldado sem armas.". Em diversos momentos deixei de rezar o terço por dias consecutivos, e misteriosamente comecei a sofrer provações e ceder em certos hábitos ruins. Sentia-me extremamente vulnerável e exposta, mas depois, quando retomei minhas orações, passei a me sentir coberta pelo manto de Maria. A maior alegria nisso tudo é perceber que nossa Mãezinha estará sempre disposta a nos aceitar novamente em seus braços, então não tenhamos vergonha de voltar.

Termino esta postagem comentando sobre uma passagem da vida de São Domingos Sávio, um santo que muito me inspira e que era um grande devoto da Santa Virgem. Diante de situações pecaminosas, ele preservava a pureza de seus olhos para que, quando chegasse ao Céu, pudesse ver o rosto de Maria. Fixemos este pensamento em nossos corações para que a nossa vida também seja guiada por esta meta.

REFERÊNCIAS:
1. "Com efeito, recitar o Rosário nada mais é senão contemplar com Maria o rosto de Cristo." - Carta Apostólica Rosarium Virgins Marie do Sumo Pontífice São João Paulo II.

07/05/2018

"Não há lugar para a sabedoria onde não há paciência." - Santo Agostinho.

São José de Cupertino
Grande é o conforto que Deus dá aqueles que o procuram nos momentos de aflição, mesmo que seja por algo sem uma importância significativa, como problemas na escola, ou em casos mais sérios como uma doença ou problemas financeiros. E é muito engraçado perceber de que forma a Providência começa a agir timidamente em nossos corações.

Hoje, enquanto fazia uma lição de matemática, um desespero enorme me tomou. Apesar da pequenez dessa situação, o medo que senti era tão grande que parecia sofrer de um mal muito pior. E acredito que muitas vezes, somos colocados nessas situações para provar nossa paciência e confiança em Deus, e em nós mesmos. Respirar profundamente não me ajudou, gritar também não. Então comecei a escrever, e enquanto escrevia me lembrei do santo que é celebrado no dia do meu aniversário: São José de Cupertino.

São José de Cupertino nasceu em 1603 e encarou muitas dificuldades durante toda a vida, como a grande defasagem e dificuldade no aprendizado, e a saúde extremamente fraca que o colocava entre a vida e a morte. José também era extremamente desastrado e estabanado virando motivo de chacota. Apesar disso, tinha uma vida de oração profunda, sendo muitas vezes arrebatado. E seu coração, desde a infância, ansiava pela vida religiosa. 

Quando tinha 17 anos, pediu para ingressar na Ordem dos Frades Menores Conventuais, mas não foi aceito por causa de suas deficiências. Decidiu, então, tentar entrar na Ordem dos Capuchinhos. Os frades o colocaram em vários ofícios, no entanto não obteve sucesso em nenhum. Por fim, foi acolhido pelos Frades Conventuais como cuidador de uma mula. Quando seus companheiros começaram a ver neste homem sinais de santidade, decidiram admiti-lo como frade.

Deus, no entanto, o chamava para o sacerdócio, o que parecia ser impossível para um homem "burro". Quando chegou o dia do exame, ele se entregou totalmente nas mãos da Santa Virgem, e quando foi ser questionado, pediram que explicassem o único trecho do Evangelho que ele, de fato, sabia, e assim foi aprovado.

Depois de um tempo, chegou o dia do exame oral. Novamente José confiou em Maria e quando o bispo escutou as respostas de outros frades ficou tão admirado com o conhecimento que tinham, e decidiu admitir todos os outros que estavam lá e não tinham sido interrogados, sendo um deles São José de Cupertino. Por tanto, José se tornou sacerdote e hoje é o padroeiro dos estudantes.

Ao reler a história deste santo, fui reconfortada. Lembrei-me do quão importante é pedir o auxílio da Graça em todos os instantes, porque Deus é a Verdade, e em uma conta de adição vemos uma verdade (2+2=4), portanto, o Criador também está lá (por mais difícil que seja perceber isso). Negar os estudos é nega-Lo, é escolher a ignorância por livre e espontânea vontade. E nos momentos de dificuldade no aprendizado é importante termos paciência e perseverarmos, porque Deus aceita o fracasso, mas não o desânimo (Santa Madre Teresa de Calcutá). Lembrando sempre que são as coisas do alto que verdadeiramente importam, logo o estudo deve ser um instrumento para alcança-las.

FONTE: HISTÓRIA DE SÃO JOSÉ DE CUPERTINO. Disponível em: <http://cruzterrasanta.com.br/historia-de-sao-jose-de-cupertino/261/102/>. Acesso em: 07 maio 2018.

03/05/2018

"Pois tu és pó, e ao pó retornarás.”


Começo como Santa Teresa de Ávila em "O Livro da Vida" admitindo a minha fraqueza e pedindo o auxílio de todos os santos, escritores e sábios nessa empreitada de corresponder à inquietação que Deus, desde sempre, plantou em meu coração. Nas palavras de Clarice Lispector essa minha desordem pode ser facilmente compreendida: “Minha vida me quer escritor e então escrevo. Não é por escolha: é íntima voz de comando”. Deus me impele a isso, e eu constantemente fujo. A imutabilidade do Criador é muito reconfortante, já que não consigo aceitar esta eterna trajetória contraditória onde os erros e acertos se convergem numa única coisa: eu, Gabriela. Não consigo enxergar nessas transformações as mãos do Pai amoroso que me molda à sua imagem. Espero um dia ter a graça de ver as coisas desse modo, mas enquanto isso não acontece sigo lutando. E caso alguém esteja lendo isso, te desejo o mesmo: se permita ser o barro nas mãos do Amado.